3 de dez de 2007

Deus Ama Caravaggio !!!

Deixei nítida (ou não) minha admiração condescendente a um pintor em especial. Sendo assim os quadros dele são fáceis de ver por todo este blog. Fiquei pensando em fazer uma justa homenagem trazendo informações sobre este excelente artista.

A arte deste é dom e este dom é divino, é inato e único. São pinturas que pulsam vida aos nossos olhos. Trazer (dar) vida é perfeitamente divino, perfeitamente bom. Creio que Deus ama aquele que enche o mundo de cores vivas de expressões de arte tão suntuosas que fazem você pensar além de si mesmo. Fazem você meditar nas cores belas da vida que faz com que nos esbaldemos quando respiráramos cores. Por que vê-las dentro de um quadro não é respirá-lo e vivencia-lo ver qualquer um consegue, respirar é trazer para dentro e encher o peito das vastas cores de Caravaggio. E isso é perfeitamente divino.



- Quem sempre foi, é e será (sua vida):

Michelangelo Merisi da Caravaggio (29 de Setembro de 1571 – 18 de Julho de 1610) foi um artista Italiano atuante em Roma, Nápoles, Malta e Sicília entre 1593 e 1610. Ele é normalmente identificado como um artista Barroco, estilo do qual ele é o primeiro grande representante.
Caravaggio tomava emprestada a imagem de pessoas comuns das ruas de Roma para retratar Maria e os apóstolos. Talvez tenha sido um dos primeiros artistas a saber conciliar a arte com o ministério de Jesus que aconteceu exatamente entre pescadores, lavradores e prostitutas.

Esta foi uma das duas mais importantes características das suas pinturas: retratar o aspecto mundano dos eventos bíblicos usando o povo comum das ruas de Roma.
A outra característica marcante foi a dimensão e impacto realista que ele deu aos seus quadros ao usar um fundo sempre raso, obscuro, muitas vezes totalmente negro e agrupar a cena em primeiro plano com focos intenso de luz sobre os detalhes, geralmente os rostos. Este uso de sombras e luz é uma das coisas mais marcantes em seus quadros que de certa forma nos atrai para dentro da cena como fica bem demonstrado pela Ceia na Casa de Emmaus. Os efeitos de iluminação que Caravaggio criou recebeu um nome específio: tenebrismo.



"Não sou um pintor valentão,como me chamam,mas sim um pintor valente, isto é: que sabe pintar bem e imitar bem as coisas naturais."
Assim Caravaggio se manifesta perante o tribunal que julga a primeira acusação, entre muitas, de perturbar a ordem pública.

  • Observação: A pintura desta postagem é; Degolação de Baptista (1608) - Catedral da Valletta.


Um comentário:

Éverton Vidal disse...

Muito bom mano, muito legal mesmo! Putz agora vou prestar mais atenção às imagens do teu blog.

Leia também...

2leep.com