1 de jun de 2011

A Igreja dos Fracassados e Imorais


A igreja que não aceita pessoas falhas e o fato que deve existir em favor delas nega explicitamente o evangelho da graça.

Tal igreja excludente não merece nem a misericórdia de Deus, nem a confiança dos homens.

A igreja deve ser consciente que sua fé é fraca, que não tem todas as respostas em si mesma, que recua e se isola do mundo quando lhe convém, que sua indiferença a torna culpada de um modo ou de outro de todas as injustiças sofridas e cometidas pelos homens.


Mesmo sendo verdade que a igreja deve se separar da perversidade ela nunca poderá oferecer qualquer respaldo ou pretexto para a supressão e distanciamento de qualquer homem ou mulher.

A igreja que ostenta sua hipocrisia perante os homens fracassados, daqueles que perderam sua fé e imorais não será justificada no Reino, por que esta apartada da graça.

Contudo a igreja que se esvaziar do preconceito discernindo os seus cômodos fracassos, distinguindo suas imperfeições e se mortificar em favor dos esquecidos. Será conhecida como verdadeira igreja do Reino de Deus.

A esta igreja fracassada, humilhada e imoral é dada a promessa de que será enlevada na verdade e justiça do Pai.

A igreja onde não se inclui e abriga excluídos morais e sociais não compreende sua própria identidade e o propósito da sua existência, sendo gritante o seu erro de rejeitar as pessoas que Cristo aceita.

A igreja que não ajunta espalha quando exclui os profanos e miseráveis aceitos pela graça, quando decreta sentenças duras, censuradoras e implacáveis, quando determina a comunhão da ceia só para alguns, quando nega o batismo em desconfiança a confissão de fé do individuo, quando nega a participação no evangelho por supressão e anteposição moral.


Desse modo estamos estabelecendo um jeito totalmente profano e indigno de se preocupar com as obras.

Portanto a igreja só irá progredir na verdade quando compreender de fato que um santo não é alguém bom e de boa aparência e sim um miserável, fracassado e imoral que experimenta diariamente a bondade e a graça de Deus sem nunca ter merecido.

13 comentários:

Eurico disse...

Puxa! Texto forte, mas verdadeiro.

Abraço fraterno.

Fabio Faith disse...

Caraca! muito bom este texto!

felipedjc disse...

esse texto sobre a igreja que exclui me lembra muito essa música: http://www.youtube.com/watch?v=_sD-uOmhlww

vale à pena conferir!
fica na paz
:D

Wilson Parpinelli disse...

Olá,
Parabéns pelo Blog. Excelente texto!!!
Já me tornei um seguindor..
Quero aproveitar pra lhe convidar a visitar e também seguir meu blog.

www.teologiainteligente.blogspot.com

Juntos seremos mais eficazes na proclamação do Evangelho de Cristo !!!
Te espero lá...
Graça e Paz !!!

Yakamim disse...

I like that!

Sim, meu irmão, seu texto é muito lindo. Fico realmente feliz ao ver que Cristo, Nosso Senhor, está despertando a igreja adormecida, ainda que viva, em torno do mundo!

Assim é que o cumprimento com ósculo santo, meu irmão!

Deus o abençoe agora e eternamente!

Seu servo em Cristo,

Rômulo

Pr. Raimundo Cruz disse...

Eh. Verdade, diariamente vemos a rejeição presente, ate mesmo dentro de igrejas tradicionalmente cristãs. Na realidade há de se travar uma luta muito grande, para exercitar o verdadeiro cristianismo!
Raimundo Gomes da Cruz

wandersonUnidos disse...

QUE A MISERICÓRDIA DE DEUS REPOUSE SOBRE VCS...PORUQ FALAR MAL DE IGREJA ATE SE ACEITA MAIS DAS IGREJAS,DOS PASTORES,VCS ESTAO SENDO IMATUROS COM APARÊNCIA DE QUEM SABE TUDO!DEUS ABENÇÕE VCS!

Lion of Zion disse...

Wanderson,

Você deveria ter lido o texto com um pouco mais de atenção.

O texto começa: "A igreja que não aceita pessoas falhas e o fato que deve existir em favor delas nega explicitamente o evangelho da graça."

Se seu pastor se sua igreja não prática a exclusão de membros não há o que criticar sobre ela.

E além do mais o texto em si critica uma conduta de excluir pessoas que Cristo aceita.

Você cre que isso seja certo?

Abraço!

Luciano Santos disse...

Olá Marco!

É uma benção ver pessoas e idéias que vão contra a maioria corrente. Vivemos em um tempo que as pessoas "determinam" o que Deus deve fazer, onde problemas significam provações e teste, e são resultado de pecado. Onde os crentes devem viver uma vida onde as palavras "tristeza", "perda", "sacríficio" e "servir" não existem. Já as palavras "prosperidade", "felicidade", "benção" e "unção" vivem sendo proferidas...

Não é errado pedir coisas pessoais, mas creio que Deus se alegra muito mais quando nos preocupamos com o outro Afinal se não amarmos e cuidarmos do "outro" que vemos, como poderemos amar e cuidar de um Deus que não vemos? (1 João 4, 20-21).

É uma pena que não aja mais cristãos se levantando... não para combater as heresias, pois disso o próprio Deus se encarrega, mas principalmente para libertar os irmãos que saem dos grilhões do pecado e se prendem aos dos facínoras que deturpam a palavra de Deus.

A Ibab tem feito uma série de palestras e sobre isso esse assunto, e uma coisa que me chamou a atenção foi a igreja querer ser uma igreja para quem não gosta de igreja, e também uma igreja para quem a própria igreja rejeita. Não congrego lá mas compartilho essa visão, de uma igreja inclusiva, não o oposto.

Desejo que Deus o abençoe e que continue a utilizá-lo para trazer entendimento e profundidade ao evangelho de Cristo.

P.S.: Gosto muito da suas dicas musicais, faça-as sempre!

Marco Alcantara disse...

Olá Luciano,

Seja bem-vindo!

As dicas musicais continuaran saindo toda terça, mas ainda bem que tem quem goste.

Abraço!

Leonel D'Ávila disse...

A Graça, assim como a mensagem da cruz, é escândalo para aqueles que se escondem por trás de certezas e absolutismos.

http://leoneldavila.blogspot.com
http://twitter.com/feabsurda
http://twitter.com/LeonelDavila

Guilherme disse...

Muito bom o texto.... exceto pela parte que critica a igreja "quando determina a comunhão da ceia só para alguns".

Em 1º Coríntios 11:26-32, o próprio Paulo contava que muitos estavam fracos e doentes por tomar a ceia indignamente (para a sua própria condenação...).

Roberta Lima disse...

Muito bom!

Semana passada ouvi a pérola de que a igreja só poderia se abrir para aqueles que estão no erro mas querem mudar, caso contrário que se vire as costas, pois a pessoa está optando pelo pecado.

Fiquei chocada. Onde residem a graça e o amor em atitudes como esta?

Uma das coisas q mais me entristece é essa exclusão onde deveria haver inclusão. Temos uma cultura evangélica excludente e um evangelho includente. Inevitável não termos choques!

Abraços,

Roberta Lima

Leia também...

2leep.com